ALECRIM ( temperando a esperança )

4 de mai de 2018





Alecrim
( Gerson Borges )

Cada coisa tem o seu lugar
Cada porta a chave que lhe abrirá
Cada vento tem seu cata-vento
Cada tempo tem o mal que lhe caberá

Cada fome tem o seu maná
Cada mágoa o unguento que lhe fechará
Cada vento tem seu cata-vento
Cada tempo tem o mal que  não vai durar
Eu nessa noite escura
Vou me lembrar

Que no meio daquele Deserto todo
Um Oasis dentro de mim
E escondido naquela Guerra
A Paz sem fim
Detrás da pior melancolia
A mãe da maior alegria
O mato crescia
Eu olhava e não via
Um ramo verde de alecrim
© Gerson Borges.